• Lucão

Viver de arte



Deixa eu escrever um pouco aqui sobre esse tema importante e nebuloso para muita gente: viver de arte.


Eu vivo de arte? Sim. E isso aconteceu de repente? Não. É fácil viver de arte? Jamais. Assim como não é fácil viver de nenhuma outra profissão. É prazeroso? Demais.


Para um engenheiro viver de engenharia, ele precisa estudar, praticar e aperfeiçoar técnicas constantemente para conseguir viver de engenharia. Isso leva tempo. Demanda estudo, um curso superior e muita dedicação para começar a trabalhar na área. Da mesma forma, professores, advogadas, médicas, cientistas, astronautas... Nenhuma profissional nasce de repente.


Mas por que então muita gente pensa que seria diferente na arte? Porque há um certo romantismo nesse universo, baseado em narrativas incompletas e muita fantasia que ajudam a propagar a ideia do talento e da vida fácil do artista.


Mas a verdade nua e crua é que para desenvolver uma carreira artística leva tempo. E esse talvez seja o maior motivo de muitas pessoas que pretendem trabalhar com a arte desistirem: a falta de paciência para construir uma carreira.


Deixa eu abrir um parêntesis aqui: claramente que fica mais difícil desenvolver uma carreira artística em um país onde a arte é desvalorizada. Num país onde nem a educação é levada a sério, a arte se torna um caminho ainda mais duro para quem quer viver dela.


Mas, voltando à carreira, muitos artistas têm dificuldade de entender o tempo da arte. Talvez as redes sociais tenham acentuado a ansiedade dos novos pretendentes. Mas é preciso parar e pensar: qual é o tempo da arte?


Particularmente, acho que é o mesmo de qualquer profissão. Primeiro é preciso aprender, desenvolver as capacidades necessárias para fazer arte. Esse tempo é igual para qualquer profissão, o tempo do estudo, do conhecimento, da faculdade, os 4 ou 5 anos de aprofundamento para aprender a carreira. E, depois, existe o tempo de construir uma carreira. É aquele do comecinho de qualquer outro setor, o do primeiro emprego, do salário baixo, de muito suor. É a fase em que a profissão ainda não paga todas as contas, mas já dá esperança. Com a diferença que na arte você, quase sempre, não tem um chefe. Você é autônomo e depende de você mesmo.


A construção de uma carreira artística leva tempo. Demora ter consciência sobre sua originalidade, autenticidade e personalidade artística. É difícil enxergar o seu próprio trabalho e saber onde ele pode se encaixar. E é complicado se manter enquanto isso não está muito claro. Muitas vezes, ter um outro emprego é uma boa opção para quem quer viver de arte. A princípio, sim.


Garantir os boletos em dia com uma profissão paralela, que não te distancie da sua paixão, é uma opção que, inclusive, eu optei. Por muitos anos, depois de me formar em comunicação, trabalhei com propaganda. E fiz minha arte na hora do almoço, à noite, na madrugada...


A dificuldade de entender esse processo, o tempo que ele demora, está também vinculado à falta de cursos profissionalizantes no setor. Muitos artistas profissionais foram autodidatas ou vieram de profissões similares, onde as habilidades necessárias à arte foram desenvolvidas em carreiras como de comunicadores, advogados, arquitetos, designeres...


Alguns vão dizer que um artista não se forma assim, com curso superior, pois arte é fruto de talento e espontaneidade. E eu digo que é mentira. Nós fantasiamos essa história do artista improvisador baseados em pouquíssimos exemplos que temos na profissão. Mas nem mesmo esses exemplos, como o do escritor boêmio, o músico beberrum, é completamente real. Eu mesmo não conheço na biografia dos artistas que admiro, um nome que não tenha se dedicado, estudado e aperfeiçoado técnicas por anos e anos. Tom Jobim, Paulo Leminski, Belchior, Picasso, Fernanda Montenegro, Beethoven... Todos são exemplos de artistas que mergulharam em estudos e práticas incansavelmente.


A falta de cursos profissionalizantes na área artística é diretamente proporcional à quantidade de artistas que conseguem viver de arte. E esse é um dos grandes problemas para o mercado: sem formar profissionais, sem desenvolver suas habilidades, inclusive mercadológicas, viver de arte demanda muito mais tempo e esforço aos futuros artistas.


Por isso, uma dica que vale ouro é: estude. Prepare-se sempre, aprimore seu conhecimento com cursos de artistas que você admira, com livros, biografias, estudando e aprendendo também sobre vendas — porque não basta só criar sua arte, vai preciso vendê-la também.


A jornada da carreira artística é longa, mas é prazerosa tanto quanto é para quem sonha em ser astronauta, professor, dançarino ou maquinista.


E sonhe. Também é preciso sonhar para voar mais alto, como eu já disse em alguns versos por aí.


"Sonhar é voar alto com os pés bem firmes no céu."







38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo